Partilhar apenas as informações pessoais estritamente necessárias

Nem todas as mensagens devem ser gritadas aos quatro ventos. É importante pensar antes de partilhar, uma vez que o conteúdo público pode ser copiado, redistribuído e espalhado pela Web por qualquer pessoa que o encontre. Converse com a sua família sobre a proteção das suas informações pessoais na Internet e ajude-a a partilhar o que pretender tornar público e a proteger o que pretender manter privado. Alguns serviços, como o Google+, têm definições de partilha mais rigorosas para os utilizadores adolescentes do que para os adultos. No entanto, é possível personalizar diversos serviços para os adaptar às necessidades de cada membro da família. Converse com a sua família sobre os tipos de informações que podem ser partilhados publicamente, o que deve ser partilhado apenas com alguns grandes amigos e o que deve permanecer privado.

Conselhos dos nossos parceiros

APIS

Deve promover-se junto das crianças noções de privacidade e intimidade e explicar que quando se partilham dados pessoais ou mesmo fotografias, estes/as podem ser utilizados/as de forma maliciosa por terceiros/as que terão a oportunidade de as/as copiar, usar e manipular.

Algumas medidas que podem contribuir para aumentar a segurança das crianças:

  • Utilizar apenas o primeiro nome;
  • Criar um nickname;
  • Supervisionar e acompanhar as crianças nas redes sociais;
  • Antes de enviar ou receber informação devem assegurar-se de que se trata de alguém que conhecem e em quem têm confiança;
  • Manter uma postura de abertura e comunicação com as crianças, o que contribuirá para evitar os "segredos" e fará com que as crianças sintam que podem recorrer aos adultos para pedir ajuda.

Rede EU Kids Online

Numa altura em que as redes sociais estão a crescer entre crianças e jovens, mesmo abaixo da idade permitida pelos sites, torna-se fundamental que as competências sejam reforçadas no sentido de proteger informação de cariz pessoal, nomeadamente a morada ou mesmo a localização da escola ou a idade. Assim, é recomendado que as redes sociais tenham as definições de privacidade o mais possível limitadas por defeito, uma vez que os jovens nem sempre têm consciência da sua exposição nestes sites.

Instituto de Apoio à Criança

Devemos educar as crianças e jovens para o perigo de fornecer os dados pessoais e/ou fotos (seus e/ou da sua família) quando utilizam a Internet. Por dados pessoais entenda-se o nome, morada, nome e morada da escola, contactos, nome dos pais, outros locais habitualmente frequentados, como clubes, associações desportivas, ginásios, etc. Quando a criança ou jovem estão online, não devem informar ninguém de que estão sozinhos em casa ou revelar as suas rotinas.

Sugerimos que sejam criados nicknames (alcunhas virtuais) na utilização de salas de conversação, redes sociais e jogos e que se evite a utilização de fotos reais, utilizando, por exemplo, uma animação ou animal de estimação. A publicação de fotografias e vídeos em sites ou redes sociais com perfil aberto ao público deve ser evitada. As definições de privacidade nos perfis em redes sociais ou blogs devem ser configuradas como privadas, de forma a permitir que o utilizador possa publicar fotos e vídeos, gerindo as pessoas que podem aceder a esses conteúdos.

Recursos Adicionais:

Centro Internet Segura

Partilhar informação pessoal na Internet é algo que poderá colocar em risco a segurança das nossas crianças e jovens. Como tal devemos conversar com eles acerca deste assunto, alertando-os para a importância de manter a privacidade no espaço virtual.

Comunicar não significa dar a conhecer as nossas características, o que fazemos no dia-a-dia e por onde andamos, onde vivemos e como nos sentimos psicologicamente. Pais e educadores devem explicar que existem formas de contornar esta questão e mantermos ainda assim uma identidade online, por exemplo criando um 'nickname'. Acresce que os dados que se colocam online ficam lá para sempre, o que aliado à capacidade multiplicadora e disseminadora da Internet pode representar consequências não só no tempo presente, mas também no futuro.

Projecto Miúdos SegurosNa.Net

Seguem-se algumas dicas que pode partilhar com os seus filhos/educandos, visando a protecção da sua privacidade online:

  • Ser cuidadoso com o que se publica na Internet. A Internet é um local muito mais público e permanente do que parece;
  • Os dados pessoais são seus. Devem ser protegidos e não devem ser partilhados com terceiros;
  • Usar um programa de geração e armazenamento de palavras-chave para gerir as diversas palavras-chave. Desta forma evita-se ter de memorizar e estar a anotar as diversas palavras-chave;
  • Usar palavras-passe diferentes para as diversas contas (email, redes sociais, mensagens instantâneas, etc.). Assim, se conseguirem aceder ilegitimamente a uma das contas, os estragos ficam contidos a essa conta;
  • Não partilhar as palavras-passe com os amigos e conhecidos;
  • Ignorar as mensagens que dizem que uma conta foi comprometida e que, por razões de segurança, se tem de verificar ou alterar as credenciais de autenticação (nome de utilizador e palavra-passe). Tais mensagens são esquemas usados por criminosos para obterem acesso ilegítimo a todos os tipos de contas.

Polícia Judiciária

Existe cada vez mais uma cultura de falta de segurança informática dos utilizadores que vulnerabiliza o acesso a dados pessoais, supostamente confidenciais, tais como passwords facilmente decifráveis por terceiros.

Em situações que vemos conteúdo indesejado publicado online, o principal objectivo da denúncia às autoridades é obter a remoção dos conteúdos divulgados sem autorização do visado. Todavia, e porque o tempo da Internet é diferente do tempo na vida real, as vítimas não poderão esquecer-se que os seus dados pessoais, imagens, vídeos, comentários ou outros dados, poderão já estar alojados em múltiplos servidores de países distantes, onde a legislação é diferente.

Pense antes de divulgar ou comentar:

  • Alguns actos são considerados crime;
  • Alguns actos repercutem-se pela vida fora;
  • Uma imagem de cariz sexual pode ser extremamente difícil de remover inteiramente da Internet.

UNICEF Portugal

O mundo online eliminou algumas barreiras sociais e espaciais do mundo físico como, por exemplo, o conceito de amizade ou confidência.

Actualmente, entre as crianças e jovens é considerado normal colocar informação pessoal online, tendo-se tornado parte do seu contexto cultural e da vivência do seu dia-a-dia. Vários estudos sugerem que os jovens se sentem confortáveis e seguros a partilhar informação pessoal, incluindo fotografias, tendo pouca consciência do conceito de privacidade. E sugerem também que as crianças têm conhecimento dos riscos básicos associados à utilização da Internet, e que muitas sentem pressão para colocar informação pessoal online. No entanto, a maioria não se considera vulnerável mas reconhece os riscos nos outros (crianças mais novas ou inexperientes, por exemplo).

Outro problema relacionado com a exposição online é que muitos jovens colocam representações visuais de si próprios de cariz sexual, por vezes em resposta a solicitações ou grooming, outras voluntariamente, o que pode vir a atrair abusadores. É necessário explicar aos jovens os perigos da colocação de informação pessoal, tendo em conta que para eles não se trata de uma prática estranha ou arriscada, mas de uma forma de interacção social sem a qual muitas vezes receiam não ser aceites ou integrados num grupo.

Assim, é importante ajudar as crianças e os adolescentes a perceber como manter uma experiência positiva no uso da Internet, aproveitando-a para obter informação, encontrar amigos e diversão sem expor a sua privacidade. Muitos deles não sabem que a informação colocada online ficará lá para sempre e está disponível a uma enorme audiência, havendo menos controlo sobre quem pode aceder à informação privada. Por outro lado há que alertar para o facto de os riscos associados poderem vir da parte de adultos ou estranhos, mas também de crianças ou jovens que eles conheçam. É importante esclarecer e informar sobre o tipo de filtros ou outras formas de protecção da informação existente na Internet. E, como sempre, conversar com os seus filhos e estar a par do que fazem é fundamental.

Recursos Adicionais:

Ferramentas de segurança

Descubra as ferramentas de segurança da Google concebidas para ajudar a sua família a monitorizar a sua reputação online.

YouTube

Gerir comentários no YouTube

Se algum utilizador estiver a publicar comentários desagradáveis nos seus vídeos ou no seu Canal, pode bloqueá-lo no YouTube. Isto significa que esse utilizador não poderá comentar os seus conteúdos nem enviar-lhe mensagens privadas.

Saiba mais

Para bloquear um utilizador no YouTube, visite a página do Canal do mesmo, que deve ter um URL semelhante a www.youtube.com/user/NOME.

No separador "Acerca de", clique no ícone da bandeira.

Por último, clique em Bloquear utilizador.

YouTube

Partilhar vídeos com o público certo

Quer pretenda manter um vídeo privado, partilhá-lo com alguns amigos ou partilhá-lo com o mundo inteiro, existe uma definição de privacidade adequada às suas necessidades. No YouTube, os vídeos são definidos como "Públicos" por predefinição, mas é possível alterar facilmente as definições na secção "Definições de privacidade" ao carregar o vídeo. Se mudar de ideias posteriormente, poderá alterar a privacidade de um vídeo já carregado.

Saiba mais

Para alterar as Definições de privacidade, visite o Gestor de vídeos.

Localize o vídeo que pretende alterar e, em seguida, clique no botão Editar.

Aceda ao menu pendente "Definições de privacidade".

Escolha Público para partilhar com todos, Não listado para partilhar com utilizadores que tenham um link para o vídeo ou Privado para partilhar com utilizadores específicos.

Clique em Guardar alterações.

Google+

Acabar com comentários ou etiquetas indesejados

Se preferir não ver as mensagens de determinados utilizadores no Google+, poderá bloqueá-los acedendo ao perfil deles e selecionando Denunciar/bloquear [nome da pessoa]. Também pode ignorar mensagens específicas para deixar de as ver no seu stream.

Saiba mais

Para bloquear alguém num computador de mesa, aceda ao perfil dessa pessoa.

Na parte lateral do perfil, clique em Denunciar/bloquear [nome da pessoa].

Confirme se pretende bloquear essa pessoa.

Google+

Escolher as atualizações a ver no seu Stream

E se alguém o adicionar aos seus círculos mas o utilizador não estiver interessado em interagir com essa pessoa? Se não pretender bloqueá-la, pode ignorá-la. Se ignorar um utilizador, deixa de receber notificações dele ou da respetiva página.

Saiba mais

Abra o Google+.

Aceda ao perfil/página de algum utilizador.

Clique na seta abaixo da sua fotografia e informações do perfil.

Selecione "Ignorar [pessoa/página]".

YouTube

Controlar a conversa sobre os seus vídeos

É fácil moderar os comentários no seu canal do YouTube. Pode optar por eliminar comentários ou impedir que comentários de determinados utilizadores ou com determinadas palavras-chave sejam publicados antes de os analisar.

Saiba mais

Para moderar comentários, clique na seta na parte superior direita de um comentário para ver as opções.

Clique em Remover para retirar o comentário do YouTube.

Em alternativa, clique em Banir do canal para bloquear o utilizador de publicar comentários no seus vídeos e no seu canal.

Nas Definições de comentários, pode solicitar a aprovação de todos os novos comentários antes da sua publicação, bem como desativar os comentários.

As Definições de comentários permitem definir filtros para determinar quem pode publicar comentários no seu canal. Também é possível bloquear comentários com determinadas palavras.

Ver mais ferramentas de segurança